Colégio "Glaucia Costa" - 26 anos batendo forte no coração da cidade
 
 
 
  


Dançando com a inclusão

Ainda repercute na cidade uma apresentação de dança que emocionou a todos, na noite do dia 14/11, no Teatro 4 de Setembro; trata-se de "Dançando com o cinema", uma iniciativa do Espaço de Dança Passos a Dois; e poucas vezes um espetáculo teatral ou de dança, recebeu acolhida tão positiva em Teresina. A proposta de levar ao palco um espetáculo diferente, onde parte de seu elenco não dança profissionalmente, o torna especial.


"Dançando com o cinema", mostrou um show de ritmos e cores, de harmonia e paixão, de beleza e poesia, mas na verdade o espetáculo vai além de sua concepção artística. Pela primeira vez, o palco do teatro não foi ocupado somente por artistas profissionais, mas por uma turma apaixonada pela dança e que não se intimidou em mostrar o quanto é capaz ou o quanto pode fazer a diferença. Eram alunos e professores do Espaço de Dança Passos a Dois, o que torna o espetáculo valioso e autêntico.


Então, esqueça daquele conhecido perfil estético do mundo da dança, pois o espetáculo valorizou as características próprias da turma, mostrando que todos estão prontos para qualquer desafio, inclusive o de dançar; a iniciativa inédita merece aplauso por incluir pessoas diferentes num universo onde normalmente não seriam aceitos. Assim, a produtora Irineuda Dias marcou um gol de placa por apostar no original e trazer do Rio de Janeiro Ruidglan Barros e Gilmar Oliveira, que, enquanto diretores do espetáculo, souberam absorver com sensibilidade, a competência dos coreógrafos Sanderson Sanção e Daniel Moura. Com esse espírito se construiu um espetáculo emocionante e sincero, onde o que mais importava era o desejo de dançar, de topar o desafio, de superar qualquer obstáculo. Num mundo onde ser diferente pode ser muito complicado, foi encantador ver a entrega do grupo a esse trabalho e ter a certeza de que todos estão aptos a dançar.


Por isso, o espetáculo também vem renovar e movimentar a cena da dança em Teresina, quase sempre carente de propostas alternativas; quem não viu perdeu um raro momento da dança, que encanta pela sonoridade, ritmo e efeito visual, elementos essenciais para a garantia de um bom espetáculo. Além disso, a participação especial do Grupo Art Dança, com os bailarinos: Juliana Márcia, Deusa Dias, Maricélia Resplandes, Alex de Jesus, Gabriel Assunção, Carlos Anderson, Luis Eduardo, Isabela Machado e Williames Portugal, coordenados por Francisco Moreno, foi pontual e enriqueceu a apresentação.


E desde o início o espectador foi conquistado, pois tudo começa a partir da fala dos participantes em depoimentos sobre a dança, o que torna o espetáculo muito particular e envolvente para o público. E ao se enveredar, por filmes e musicais que marcaram época no cinema, se conseguiu riquíssimas possibilidades para cenários e figurinos, que cativaram e surpreenderam a platéia. Portanto, este é um daqueles espetáculos que tiram o fôlego (de quem dança e do público também), e encantam por sua inegável qualidade. E como se não bastasse, também é inclusivo, pois valoriza o potencial de todos aqueles que sempre desejaram dançar, mas nunca tiveram espaço para isso. Parabéns a produtora Irineuda Dias, que comprou uma ideia arrojada e a todo o grupo envolvido na montagem desse belo espetáculo. Que o universo da dança se renda, e também se torne um espaço de inclusão.


Artigo publicado no Jornal Meio Norte
01 de dezembro de 2009 / Teresina – PI
ANGELY COSTA CRUZ Bacharel em Biblioteconomia – UESPI / PI
Especialista em Leitura e Produção Textual – IFET/ PI
Coordenadora do Colégio "Gláucia Costa"