Colégio "Glaucia Costa" - 26 anos batendo forte no coração da cidade
 
 
 
  


Maysa é Maysa

Com uma estréia que bateu recorde de audiência para uma minissérie, Maysa, quando fala o coração, é uma dessas histórias que arrebata o público, pois sua protagonista viveu de forma intensa e conturbada; ela provocou a ira dos moralistas, se recusou a obedecer numa época em que as mulheres viviam à sombra dos homens e construiu a própria carreira, transformando-se num dos grandes nomes da música brasileira entre as décadas de cinqüenta e setenta. Maysa é um desses mitos que povoam o imaginário popular no Brasil, chamada de “Rainha da fossa”, ela foi representante máxima do samba-canção, gênero em que também se destacaram Ângela Maria, Nora Nei e Dolores Duran. O estilo lembra o bolero, pois sempre exalta o tema amor-romântico ou o sofrimento de um amor não realizado, enfim é dor-de-cotovelo mesmo e ponto.


Foi com esse gênero musical, que Maysa surgiu no cenário da música brasileira e se transformou em grande sucesso nacional, vendeu milhões de discos e lotou casas de espetáculos no Brasil e no exterior. Seu estilo musical, (surgido na década de trinta) antecedeu o movimento da bossa nova no país, que apareceu no final da década de cinqüenta e com o qual Maysa até se identificou, mas seu grave vozeirão não permitiu nenhum engano; ela foi a intérprete do drama e das melodias ressentidas, que tanto conquistavam o público brasileiro na época. Maysa, portanto, viveu um momento de transição na música brasileira, pois a recém-chegada bossa nova anunciava refinamento e maior leveza nas melodias e interpretações; a moda de cantar baixinho com um banquinho e um violão emplacou e se opôs à exaltação e a eloquencia do samba-canção, a moderna Música Popular Brasileira estava nascendo. Chega de saudade.


A cantora e compositora, no entanto foi fiel ao seu estilo até o fim. Dona de uma personalidade forte, ela interpretava com todo o sentimento, como agora se vê na minissérie, através da atriz Larissa Maciel que surpreende por sua expressividade. A minissérie também recebeu tratamento de cinema da TV Globo e apresenta assim uma qualidade superior de imagens, é o biscoito fino para agarrar o telespectador antes da chegada de mais um Big Brother Brasil.


A minissérie escrita por Manoel Carlos e dirigida pelo próprio filho de Maysa, Jaime Monjardim, portanto é um belo presente ao público brasileiro, principalmente para as novas gerações que não conheceram Maysa; ela influenciou a obra de grandes nomes da música nacional, como Cazuza, Leila Pinheiro, Simone, Fafá de Belém, Ângela Rô-Rô e outros. Vale a pena conferir, afinal conhecer a história de Maysa é descobrir um pouco da história do Brasil.


Artigo publicado no Jornal Meio Norte
14 de janeiro de 2009 / Teresina – PI
ANGELY COSTA CRUZ Bacharel em Biblioteconomia – UESPI / PII
Especialista em Leitura e Produção Textual – CEFET/ PI
Coordenadora do Colégio "Gláucia Costa