Colégio "Glaucia Costa" - 29 anos batendo forte no coração da cidade
 
 
 
  


Escola realiza aula passeio com roteiro surpreendente na Princesa do Sertão!



O Colégio Gláucia Costa realizou novamente nos dias 25 e 26/05, uma aula passeio a Caxias – MA, conhecida como a Princesa do Sertão. Desta vez, a visita à cidade histórica foi com turmas do Fund. II e Ensino Médio. A Escola levou 33 estudantes, acompanhados pela equipe de Coordenação Pedagógica e Professores, que ficaram hospedados no hotel Eldorado, pois o roteiro determinado para a visita foi longo, mas surpreendente. Estudantes e professores festejaram o passeio, e vivenciaram a história presente nas ruas, palácios e casarões de arquitetura colonial de Caxias, bem como a forte presença da cultura em ruas, praças, centros culturais e academias literárias da cidade.


A cidade, sua história, cultura, lendas e curiosidades foram apresentadas pela professora historiadora e diretora do Memorial da Balaiada, Mercilene Barbosa Torres, que envolveu os estudantes e a equipe pedagógica da Escola com narrativas entusiasmadas. A historiadora explicou a origem histórica, as motivações que provocaram a Guerra da Balaiada, a medida que mostrava o palco da guerra, o Morro do Alecrim, o belíssimo mirante e o Museu da Balaiada que integram o complexo histórico cultural; no museu todos se surpreenderam com peças raras e histórias marcantes da cidade. Acompanhamos também na ocasião, a Exposição do fotógrafo David Sousa, em torno do folclore e tradições maranhenses.



A visita se estendeu às praças, logradouros públicos da cidade que se destacam por sua beleza, conservação e por receber nomes de grandes poetas e escritores caxienses, como Gonçalves Dias (1823-1864), patrono da cadeira n. 15 da Academia Brasileira de Letras (ABL), por escolha de seu fundador Olavo Bilac (1865-1918). Estivemos na rua e em frente a casa onde Gonçalves Dias, o grande poeta nasceu; visitamos ainda a rua e a casa do escritor Coelho Neto (1864-1934), considerado o ”Príncipe dos Prosadores Brasileiros”, numa votação realizada em 1928 pela revista O Malho.


O passeio histórico seguiu pela praça que recebe o nome de outro ilustre poeta caxiense: Vespasiano Ramos (1884-1916). Naquele momento acontecia na praça uma feira popular, a Feirinha da Gente, que disponibilizava aos visitantes atendimento médico gratuito, divulgava a Semana de Deficiência Visual, e ainda a campanha de combate ao abuso sexual contra crianças e adolescentes. Também se oferecia grande variedade de peças artesanais, produtos da agricultura familiar e culinária aos visitantes. A feira foi o palco de abertura da festa junina na cidade, com apresentações folclóricas da cultura maranhense e lá tivemos a grata surpresa de sermos entrevistados por emissoras de TV locais: TV Guanaré e Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Caxias.


A cidade que possui dois padroeiros: São José e Nossa Senhora da Conceição, mostra arquitetura histórica nas mais diversas construções e em belíssimas Igrejas, das quais conhecemos as lendas que circundam suas histórias. Visitamos a Igreja matriz Paróquia de Nossa Senhora da Conceição e São José, Paróquia de São Benedito, e Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. E as ruas estreitas do centro histórico de Caxias, também abriga o Palácio do seu Dá, uma rica e ampla construção arquitetônica que mantém seus traços históricos e abriga belos jardins, uma valiosa biblioteca e diversas preciosidades, obras de arte, peças que seu proprietário, o Comendador Alderico Silva (1910-2005), adquiriu ao longo do tempo em viagens por todo o mundo. Lá também, suas histórias foram todas narradas pela guia turística. Foi imortalizado como Seu Dá, pelo compositor João do Vale (1934-1996).




O Comendador Alderico Silva “...foi um mito na Princesa do Sertão e em todo o Maranhão. Arrojado construiu grande fortuna à custa do próprio trabalho...” (Jornal Pequeno, em 30/01/2005). Empreendedor visionário, um empresário de grande importância para a história de Caxias, uma vez que, influenciou diretamente em seu desenvolvimento sócio econômico e cultural. Sua história não cabe neste informativo, é um capítulo a parte, mas só pra se ter uma ideia de sua importância, aparece inclusive na música “De Teresina a São Luís” do mestre Luiz Gonzaga, nosso Rei do Baião. “... Bom dia Caxias/Terra morena de Gonçalves Dias/Dona Sinhá avisa pra seu Dá/Que eu tô muito avexado/Dessa vez não vou ficar ...” Foi assim, uma visita encantadora; e na primeira vez que lá estivemos a biblioteca da Escola recebeu a doação de um exemplar da obra, que conta a história do Comendador Alderico Silva e de sua imensa contribuição à cidade.


No sábado, depois de percorrer diversos locais do centro histórico, retornamos ao hotel e fomos conhecer a noite caxiense no Mirante da Balaiada, um charmoso centro cultural construído em torno do museu, com quiosques, restaurantes, cafés. Estudantes e professores passearam, se divertiram, saborearam a culinária e descobriram preciosidades, como o Arte Café, um cantinho cultural que reúne café, delícias, livros, vinis e raridades.


Nesta visita, retornamos a antiga Fábrica de Tecidos, fundada em 1889, uma suntuosa construção que movimentou a economia da região por muito tempo, com exportação até para o exterior. A fábrica absorveu a mão de obra feminina, e guarda também muitas histórias, para as quais as turmas ficaram atentas. Fomos a Academia Caxiense de Letras (ACL) e ao Instituto Histórico e Geografico de Caxias (IHGC), sobre os quais ouvimos histórias de caxienses ilustres. Também fomos conhecer a antiga estação do trem, local que guarda parte da história da cidade. O grupo também conheceu e se encantou com as muitas histórias do Balneário Veneza, um local bastante apreciado em Caxias e que atrai visitantes de toda a região circunvizinha.


E assim, o passeio se encerrou com uma refrescante visita à sorveteria Maná, marca do saboroso sorvete que é fabricado na cidade. A viagem deixou todos com aquele desejo de voltar, afinal Caxias se apresenta como uma cidade que se orgulha em preservar seu patrimônio cultural e sua alma histórica, se destacando no cenário literário nacional por ser “berço” de poetas e escritores, como Gonçalves Dias, Coelho Neto, Raimundo Teixeira Mendes (1855-1927), Teófilo Dias (1854-1889), César Marques (1826-1900), Vespasiano Ramos e outros. Enfim, a efervescência cultural e a história de Caxias são sua verdadeira essência e a tornam encantadora, um verdadeiro charme. Portanto, não é por acaso, que é chamada de Princesa do Sertão.


Angely Costa - Bibliotecária




Confira todas as fotos:


- Caxias 2019