Colégio "Glaucia Costa" - 26 anos batendo forte no coração da cidade
 
 
 
  


Chique é ter atitude

Uma das maiores preocupações da sociedade atual diz respeito à organização dos espaços urbanos e a situação caótica do trânsito nas cidades. E numa noite dessas vendo o Jornal Nacional, uma reportagem em torno de uma pesquisa sobre mobilidade, que levou em conta o impacto ambiental e o bem estar da população, abordou a questão de modo amplo em várias capitais brasileiras. Inicialmente, se mostrou uma ciclovia, uma faixa vermelha, instalada em avenida de grande movimento em São Paulo, para estimular o uso da bicicleta, ao invés do automóvel. E sobre o novo desenho no asfalto se colheu alguns depoimentos, uns elogiosos, outros queixosos e entre estes um chamou-me a atenção especialmente.


Tratava-se da proprietária de uma dessas lojas hiperchiques da zona mais nobre da cidade, que disse sem pestanejar. “Aonde vou colocar as minhas clientes que são milionárias, que andam de carro importado? Você acha que as minhas clientes vão andar de salto alto de bicicleta?” Disparou a indignada senhora, que nem queria saber se o planeta está pegando fogo ou não. Para ela, não era esse o problema. Não resisti caro leitor, fui às gargalhadas e olha que a situação é trágica, mas por um instante ficou totalmente cômica.


Então, o resto do mundo tem a obrigação de se preocupar em buscar mais qualidade de vida e preservar o meio ambiente, mas as tais clientes milionárias, de carro importado e de salto alto não? Fiquei pensando em que Planeta as tais clientes vivem, não deve ser o mesmo em que os outros mortais habitam e enfrentam tantos problemas ambientais e um trânsito completamente fora de sério.


Na verdade, a instalação de ciclovias na zona urbana é uma das melhores soluções para modificar hábitos e humanizar o trânsito nas cidades, pois se mais habitantes são estimulados a usar a bicicleta, é menos carro e menos poluição nas ruas. Todos ganham (quero dizer), menos a indignada senhora que espera suas clientes milionárias, de carro importado e de salto alto, desembarcando em frente a sua loja, sem que nenhuma ciclovia lhes causem transtornos.


Portanto, ao resto do mundo que se envolve e arregaça as mangas em busca de soluções alternativas para a preservação do Planeta e a maior qualidade de vida, meu aplauso! Siga em frente! É disso que o mundo precisa! De atitude! Quanto às tais clientes, uma recomendação. Deixem os carros importados na garagem! Abandonem os saltos! Calcem aquele tênis! E vão às compras de bicicleta! Contribuam de algum modo para tornar esse mundo melhor! Chique, é ter atitude!


LILI CAVALCANTI
(PSEUDÔNIMO DE ANGELY COSTA CRUZ – ESCRITORA – PROFESSORA E BIBLIOTECÁRIA DO COLÉGIO “GLÁUCIA COSTA”
PUBLICADO EM: 21/11/2011 – JORNAL MEIO NORTE (Teresina/ PI)